quarta-feira, 14 de outubro de 2009

E viveram felizes, para sempre...[?]

Será que realmente haveria graça nas coisas eternas?
Não me chame de mazoquista ou pessimista.
Mas e se realmente tudo fosse pra sempre? Eterno...
Onde buscariamos as lições, a diverção ou a tranquilidade?
Nem mesmo o brigadeiro teria o mesmo gosto.
Nem tudo o que dura pra sempre, é verdadeiramente pra sempre.
Entende?
O sentimento tem que ser renovado a cada manhã, a cada nova estação.
O comodismo do "pra sempre", anularia nossa capacidade (vontade) de surpreender, reconquistar.
E nos colocaria descabelados na poltrona em frente a TV.

Entende?


Tadinha da Branca de neve!

Nenhum comentário:

Postar um comentário